Ugh.

Quando termina o estágio, o RH te obriga a avaliar seu chefes e também obriga que eles te avaliem. Mas não pode ser em silêncio, pq você tem que assinar a avaliação deles e ele tem que assinar a sua.

Eu ainda não fiz a das minhas chefes, mas seguramente me sentirei bastante contrangida ao fazê-lo. Aparentemente, a minha chefe não encontra o mesmo problema. Todos os itens tinham 4 opções na escala: excellent, very good, good e fair.

Hmmm… pontos altos (ou baixos, no caso):

Comportamento profissional
excellent————
very good———–V .<

good—————-
fair—————–
Capacidade de decisão
excellent————
very good———–V .

Good—————-
fair—————
Capacidade de comunicação: escrita
excellent————
very good———–
good—————-V <- OUUUUUUUUUUTCH!
fair—————–
Capacidade de comunicação: oral
excellent————
very good———–V <- único que eu aceito. mentira, o de cima tbm, mas o de cima foi bem mais cruel.
good—————-
fair—————–
Apesar dela ter feito uma nota dizendo que eu falo português e nunca o uso no trabalho. E que meu espanhol é bom também, mas nunca uso no trabalho. E que o inglês… está melhorando… isso tudo de comunicação me incomodou.
Eu sei que goods e very goods nem parecem ruim. Mas se você soubesse isso são suas falhas em ambiente de trabalho, te incomodaria. Ainda mais que é uma coisa de avaliação e talz. Eu sei também que o fato de eu só trabalhar com estagiários americanos, faz com que os meus erros em inglês apareçam mais. Caso ocorresse o oposto, os outros fossem latinos, eu me destacaria.
A coisa é que a cada dia, por mais que as pessoas me digam que meu inglês está melhorando, eu me sinto com menoa auto estima relativa e ele. Menos confiante. Com menos vontade de falar inglês. Eu queria ser de novo aquela menina da oitava série que tinha o melhor inglês da sala e todo mundo ficava com inveja.

Curto.

Alice

Para liberação do certificado de conclusão V. Sª. deverá colar grau. Dia 27/08/2007 – horário: 11:00 horas, tem uma solenidade de colação de grau no CRA ( prédio 7). Somente depois da assinatura será liberado o certificado.
Caso queira agendarei para está participando da mesma.
Ou terá que agendar uma outra data. Sempre as solenidades é 2ª. feira às 11:00 horas.

Favor acusar este e-mail.

————————————————————————

Cara Vera,
acontece que eu estou nos Estados Unidos, trabalhando, e não posso ir, até o final de novembro, para o Brasil. O que eu necessitaria, portanto, seria um certificado de previsão de formatura. Creio que não seja possível colar grau por procuração, ou é?
Obrigada, desde já.
Alice

———————————————————————-
Não tem como liberar uma declaração de previsão, pois já terminou as colações de grau normal. Poderá colar grau com procuração desde que seja uma procuração específico para colação de grau e registrada no cartorio.

————————————————————————

Lógica:

Alice fora do país = Alice não pode colar grau pessoalmente = Alice também não pode fazer uma procuração específico para a colação de grau e restristrada em cartório.

A = B = C , certo?

A burocracia é burra.
E eu estou na mesma.

[ps: e quem disse que eu queria colar grau?]

Salsa

Quem diria que, estando aqui, os ritmos que eu mais ouço são latinos?

Pois são. Salsa, merengue, mambo, reggaeton e chachacha… embora eu seja, pessoalmente, incapaz de diferenciá-los, são basicamente tudo o que eu escuto.

A explicação é clara, estou cercada de latinos e também de wannabes de latinos. E todos eles, obviamente, em seu tempo livre, happy hours, sábados a noite, domingos a tarde… procuram ir em lugares que tocam esse tipo de música.

Todo mundo sabe que música latina é altamente dançavel. A dois, exatamente, em pares, com todos os rebolados, passos, voltas e esfregas possíveis. E tem passinhos especiais pro merengue (que diz que é o mais fácil), outros tanto pra salsa… e no reggaeton você tem mesmo é que se esfregar…

But, anyway… e música e dança latina. E eu sou o quê? Latina, é claro. Mas uma latina ALTAMENTE incapaz de dançar esses rítimos caribenhos. >.<

Se eu não danço nem forró, que é brasileiro, que eu tô acostumada, imagina salsa, que nunca vi na minha vida? Ok, ok. Vergonha total.

Todo mundo aqui já sabe que eu danço mal essas dancinhas de parzinhos. Até fico com preguiça de ir nesses Cafés Citrons da vida… porque eu danço mal M-E-S-M-O e com orgulho.

Mas eis a descoberta. Não sou eu que danço mal! São meus parceiros que não dançam suficientemente bem pra me guiarem! Isso é uma comprovação impírica: sábado fui no Café Citrón e… RÁ! Conheci um carinha que dançava muuuuito e me fez ser a pessoa que melhor dançava ali. Sem noção, Braaaasil! Depois de dançar com esse cara por uma hora, todas as minhas amigas vieram me falar: mas você tava dançando direitíssimo!!!

Aham! Que culpa eu tenho se os caras não são bons o suficiente pra mim?

This is so last week.

Hoje, falando com uma amiga minha sobre sexta feira passada, percebi o tanto
que semana passada parece incrivelmente distante. Sexta feira passada eu tinha conseguido meu estágio em um think tank (estágio este que eu não vou fazer mais, por razões óbvias), ficar na ness OI parecia opção nula.

Desde então minha vida mudou 360°. Emprego, salário. Tudo.

E assim vem sendo, certo? Sem férias, uma coisa imediatamente depois a outra, non stop. Acho que isso quer dizer que as coisas estão dando certo… né? Se você forma na faculdade e 3 meses depois tem um contrato, remunerado em dólares, com uma organização internacional… isso é bom, certo?

Eu ainda tenho muito medo, muito pânico. Mas a sensação incrível de que, se me escolheram, foi porque eu sou capaz.

 

Boas coisas acontecem com boas pessoas.

Dólar, baby!

 

Agora eu vou ganhar dinheiro. Nem é muito. Nem é por bastante tempo. Mas é melhor do que trabalhar de graça, coisa que eu venho fazendo nos ultímos 3 meses.

Eu nem achava que eu iria conseguir isso, pra falar verdade, estava além dos meus planos. Tinha conseguido o outro estágio, e isso era mais que suficiente.

Na terça me convidam pra ser part time, 20 horas semanais, remunerada. Aceito.

Ontem me perguntam se eu poderia trabalhar full time, 40 horas semanais, remunerada, até dia 16 de novembro. Aceito!

Agora eu sou consultora. :)

E só porque eu vou ganhar em dólar, ele tá em alta… hehehe.
Bem, não.
Olha que legal eu achei. ^^
Alta do dólar pra burrinhos!

Entre o spanglish e o portunhol

Depois que eu voltei da Argentina, percebi piora substancial no meu português. Primeiro confundia grafia de palavras, como encima, que em espanhol é em cima, e com o perdão da palavra, fode a porra toda. Depois eu parei de saber a diferença entre comprá-lo e cómpralo… e olha que são bem diferentes!!! Mas tudo bem. São línguas semelhantes, né?

Daí cá estou eu. Inglês, português e espanhol, todo dia. As vezes até uma quarta o spanglish, que aqui corre solto. E sabe o que? Meu português vai ladeeeeeeeira abaixo. Sabe erros primários, imbecís e idiotas? Em português? Eu os cometo.

Rá. E em inglês? Sim, meu inglês também tá sofrendo. Qual dia é thursday? E tuesday, é qual? Diferença entre to lend and to borrow? Míiinima idéia pro meu cérebro confuso.

E o espanhol? Tá virando portunhol.

Ai ai. Quanto mais eu falo mais línguas, pior elas ficam. Juro!

[tá, elas ficam mais fluentes também, menos o português. mais fáceis de entender, vocabulário amplia, etc e tal. isso é só um drama básico.]

Ao menos, pra me consolar, alguém me disse: quanto mais você sabe uma língua, maior consciência você tem dos seus erros. Então tá, né?

E feito pra rir e me faz chorar.

Sabe-se lá porque, no fim do dia eu estava com um mal humor tremendo. Meu humor era ainda mais esquisito se você considerar que, exatamente umas 3 horas antes eu consegui um estágio no Council on Hemispheric Affairs até o fim do ano.

Lutando contra o meu negativismo, resolvi ir no cinema. Sozinha. Onde tem um mais perto? Dupont Circle. Caminho até lá e vejo os filmes em cartaz. Não sei porquê, encasquetei de ver um chamado “Falling for Grace“… e fui.

Cara, meus hormônios tão doidos. Chorei nos trailers, juro, porque dois filmes falavam de aquecimento global. Quando começou o filme, e ela se relacionava com o pai dela, eu chorava, quando ela falava da amiga dela, chorava… enfim… eu tenho problemas.

O filme é uma coisinha banal, história de Cinderella, mas que te fisga, ou me fisga, pela personagem principal ser uma chinesa que mora em NY. Cultura fortona, etc e tal. Comédia romântica e cultura? Alice, obrigada.

No final do filme estou toda satisfeita, feliz. Finais felizes me deixam com inveja, mas também com esperança. Eis que de repente, não mais que de repente… entra no cinema a chinesinha, atriz principal. Ai ela diz, toda fofinha, que o filme é dela, escrito, produzido e dirigido, que a grana era dela, que o sonho era dela… e que o filme só está em exibição em dois cinemas dos EUA (e do mundo)! Eis que um deles é justamente o que eu fui!

A moça, que se chama Fay Ann Lee, explica que, caso o público não seja bom, eles tiram o filme depois desse fim de semana. E a sala tava tão vazia =(. E o filme é tão fofinho. Ela ficou meia hora conversando, mesmo, com a gente. Sensacional.

Me solidarizei e mandei email pra todo mundo que conheço de DC.

Enfim, a Fay Ann Lee me fez sorrir. E chorar. Espero que dê certo.

Great things can happen to great people.