Vontade de matar. Ou de morrer. Ainda não decidi bem.

-Alice, o que você está fazendo?

– Eu acabei de fazer os certificados das autoridades que estiveram na Argentina.

– Deixa eu ver. Aiiii. Certificados é com um papel bonito que EU tenho na minha gaveta. Porque você não me pediu?

pensamento:PORQUE VOCÊ CHEGOU AS 10:30 DA MANHÃ E EU TÔ TRABALHANDO DESDE AS 9!!!!

– Vou te dar o papel novo e você que refaça. De agora em diante, sempre me pergunte antes de fazer.

>.< – Nelly, o formato é diferente. A gente tá usando o que foi entregue na Argentina, não pode mudar nada.

– Se for pra mudar, eu mudo. Eu faço o que eu quiser.

pensamento: Você muda o quanto quiser. Mas quem faz sou eu. Sempre eu.

– Mas não tem como mudar, eles mandaram a imagem e a gente imprime os nomes sobre ela.

– Então refaça. Do jeito que eu quero. E não discuta comigo e nem seja teimosa.

Pensamento: FAZ VOCÊ.

Ah sim, estou fazendo. Enquanto ela foi lá em cima buscar um café. EU ODEIO. ODEIO. ODEIO.

Affffffffffffffffffffffff de novo

Eu não sei porque, mas em algum momento do tempo e do espaço, mais exatamente na semana passada, eu tinha me esquecido o quanto odeio a minha chefe. Estava legal de trabalhar, eu nem me importava mais com esse trem de ficar sendo preterida porque “não-sou-nativa-nem-em-inglês-e-nem-em-espanhol”, é a vida mesmo!!! Mas hoje.. grrr. Quando mandava uns faxes, me perguntou porque não tinha feito antes, quando trasnferi uma ligação para ela, reclamou da pessoa ter lidado antes comigo e depois com ela, quando terminei uma coisa que a estagiária tinha começando, me disse que eu tinha outras prioridades. ALOOOOOOÔOOO. QUEM ORGANIZA AS MINHAS PRIORIDADES SOU EU.

E minha primeira é ser feliz.
E isso só acontecerá loooonge de você, Ms. ROBINSON!!!
PS: enquanto terminava de postar, mandou uma coisa imprimir lá em cima e MANDOU eu buscar. E EU TENHO LÁ CARA DE OFFICE BOY? >.<
sorte que o Mauricio é um querido e disse que ele ia. Sensacional esse garoto. ;)

Prosseguimento, o ratinho.

Eu já havia me convencido de que o ratinho era coisa imaginária. Quem sabe eu não vi, só imaginei que tinha enxergado? Já estava quase me convencendo quando a Martha vê outro, ou o mesmo, sei lá. Ixi. Então ou é ilusão coletiva, ou tem ratos na minha casa mesmo. Aimmmm. Na verdade, fiquei com menos pânico nessa segunda aparição. É como se eu tivesse me convencido que até é possível conviver com ratos sem passar momentos de crise, noites insones…

Então o dono do apartamento decidiu mandar detetizar. E foram ontem. Passaram um spray de fumaça na casa toda, principalmente nos “lugares fatídicos” onde a gente tinha visto aquela criatura cinza.

Antes de ir dormir, decido dar uma organizadinha. Dobro as roupas em cima da cama, fecho as gavetas… GAAAAAAAAAH. Tinha um rato morto, ali, debaixo da ultima gaveta, que estava aberta. Oo

Grito. Respiro fundo. Vou a cozinha, coloco sacolas plásticas nas mãos e vou recolher o bicho. Vou chegando perto, e perto, e perto… e vejo a orelha mexendo. Pânico. Calma. Pode ser imaginação. Olho outra vez e o maldito tava mexendo a orelha mesmo, mas preso em uma armadilha gosmenta grudenta e provavelmente grogue pela tal fumaça.

Cheia de coragem, vou dormir na sala e de manhã pedi pra Jenn jogar ele fora pra mim. :)
***

A Nelly tá com uma tal de mania de deixar o telefone tocar, tocar e tocar, e só atender no ultimo minuto, quando claro, já foi pra caixa de mensagem. E sim, o telefone está a uma esticada de braço.

Vai entender.

O Papa e o rato

apesar do papa ter cara de ratinho, não é sobre isso o post.

***

Nesta semana o Papa está em DC. Hoje, por exemplo, ele estava na Casa Branca… e para quem não sabe, eu trabalho há 2 quarteirões da dita cuja e meu caminho do metrô necessariamente coincide com as entradas privadas da Casa Branca. Bom, tem muita gente na porta para ver aquele papa velhinho e com cara de malvado. E surpresa, surpresa, são quase todos latinos, fora um padre ou outro branquinho. Na porta abaixo, uma fila enooooorme de gente aparentemente importante e bem vestida, todos claramente norte americanos, e porque não dizer, brancos, entrando para ver o Papa.

Amanhã tem uma mega missa, daquelas estilo estádio de futebol (mas nesse caso será no de baseball). O metrô será tomado por fieis.

Eu devo ser uma católica muito de meia tigela, mesmo. A maior comoção que eu tenho ao pensar no Papa na mesma cidade que eu é “o quanto isso vai afetar meu ir e vir”.

*****
Ok, tem um rato na minha casa.
Aparentemente, para as meninas que moram comigo, isso não é um big deal. Vou te dizer que elas tão pouco ligando para os meus tormentos. Eu, descobrindo uma face muito mulherzinha da minha personalidade, morro de medo. Ontem não dormi depois de ter visto um roedorzinho, cinza, até bonitinho (se não fosse um rato, ugh), de uns 4 cm. E o maldito ainda é filhote!
Ontem não dormi e hoje dormi na sala, para não lidar com a situação (super madura, ahm). Estou traumatizada, os menores ruidos, como o da calefação ligando e desligando, me põe em desespero. Ó vida, ó céus.

11: buscando o controle

a verdade é que uma hora dessas eu já deveria estar dormindo, mas sempre que chega tarde da noite, procuro desculpas para não colocar a cabeça no travesseiro. eu até desligo o msn, tiro a música, me arrumo para dormir.
mas não durmo.
fico até tarde lendo notícias inuteis em jornais do mundo todo, pesquisando gente no google, fuxicando pessoas no orkut e facebook… e principalmente vendo vídeos na internet (e vão passando minutos e horas enquanto eu vou descobrindo videos que até Deus duvida). no dia seguinte, de manhã, sempre rola aquele arrependimento, porque dá uma preguiça danada de acordar. já estou fazendo a façanha de acordar as oito para estar no trabalho as nove. e consigo.
agora imagina só a cara que chego lá, e por conseqüência, passo os dias? não é à tôa que a maré por aqui não está pra peixe.
a partir de amanhã (tá, amanhã não, que é quinta e eu devo sair… nem sexta e nem sábado… hahahaha. ok), a partir de domingo, começou a dormir as 11. sérião. vai ser minha medida número um para melhorar minha qualidade de vida. se o resto todo me foge ao controle, pelo menos controlar minhas horas de sono, eu deveria conseguir, né?

Probs (meu jeito carinhoso de chamar meus problemas)

Tenho percebido que ando negativa. E defensiva. Como se tudo o que estivesse errado fosse culpa de outros, e nunca minha. Me sinto sozinha, minha chefe não me valoriza, temos problemas com uma das roommates… blá. É tudo uma insatisfação frente a coisas que não deveriam tirar o sono de ninguém, são apenas meras complicações da vida que tenho. Moro sozinha, minha chefe é mesmo meio louca e a Martha é sim muito difícil.
Então as vezes fico triste.
As vezes estressada.
E sempre insatisfeita.