de ese que endulza la sal

não adianta, eles não se misturam. não importa quantos anos passem, quão mais diferentes eles fiquem, não se misturam. só eu que ainda tento pôr na mesma sala os amigos de faculdade e de colégio? não adianta.

mas mesmo assim, que inacreditável é, ter ao mesmo tempo, na mesma sala, todos juntos, os seus melhores amigos. quantos zilhões de sorrisos verdadeiros, de conversas amenas, de suas vozes favoritas você escuta.

é por isso que eu gosto de aniversário. só por isso. no meio de tanta gente que te deseja felicidade da boca pra fora, têm aqueles que te desejam da boca pra dentro. mesmo eles não se misturando, estão todos ali presentes por sua causa. e vale tanto a pena ter uma desculpa pra falar com todos, no mesmo dia!

Dos desejos de feliz aniversário!

Dear alice,
though we wont be with u on ur bday we wish u the craziest of adventures filled with silliness and hopefully ridiculous drunkeness!! I hope you take this opportunity to make a complete idiot out of yourself and dance drunkenly upon a table for free alcohol (or just for shits and giggles). We wish we could be with you to experience this marvelous event, however unfortunately we will be tied up (on some hot mans bed) wandering through the frozen lands of Patagonia.

Parabems! Felicidades! Happy freaking Birthday! Shake your booty as there is no tomorrow.

MUCHO AMOR,

Jen and Summer

Posso estar só

Minhas histórias são simples, meus problemas, banais. Meus defeitos tendem a normalidade, meus traumas, a repetição do de sempre. Minhas crises tem de individual só a dramaticidade que eu confiro a elas, já que sou uma reclamona. Na verdade tenho sorte, muita sorte. Sorte-azar, assim que chama. Tudo de pequeno que pode dar errado dá, incomoda, irrita. Mas no final, olhando por fora, deu tudo certo.

Nada me diferencia como especial. Nada me faz única e espetacular. Não que ser sensacional em certos padrões seja necessariamente positivo. Minhas histórias, traumas e problemas dentro do banal na verdade me aliviam, se eu já sou meio atormentada crescendo em uma ilha dourada, imagina se meus dramas fossem reais?

Ai você me conta suas coisas esperando não sei o que. Não é uma troca, porque ali você não quer me ver. Você quer se ver.

Só que você me fez me ver. Sem nem saber. Ai eu volto naquele versinho de sempre, daquela bandinha de sempre, o que fica como quase personal moto, ou no caso, mais conclusão de experiências banais:

Os dias que eu me vejo só
são dias que eu me encontro mais
e mesmo assim eu sei tão bem: existe alguém pra me libertar.

But do you read my mind?

é comigo que eles falam?

If you ever see this
But don’t answer that
In a bullet proof vest
With the windows all closed
I’ll be doing my best
I’ll see you soon
In a telescope lens
And when all you want is friends
I’ll see you soon

Breaking off is misery
I see a wilderness for you and me
Punctuated by philosophy
I’m wondering how things could’ve been

I’m happy for you
You’ve made it hard for me
I counted on your company
You are staying with your friends tonight
I’m feeling sorry for myself
I keep taking everything to be a sign

All I want is the best for our lives my dear

eu gosto de dar aula, sabia? gosto de sentir que ensino, que faço, no final, diferença na vida deles. gosto que eles pensem no que eu disse e cheguem na aula com dúvidas ou mais eSclarecidos. gosto de ver nota boa na prova e saber que eles aprenderam comigo. foi comigo.

 

sei lá, tenho maniazinha de querer fazer diferença no mundo.

e mano, ensinando se faz.

Tati Bernardi

As coisas lá

Quando não estou no pêndulo insuportável de devorar ou vomitar, tenho meus minutos de contemplação. As coisas lá, eu aqui. As coisas lá. Eu aqui. E quando entendo que posso gostar de cinema sem ver filmes o tempo todo, e gostar de sumir sem fazer sexo ou dormir o tempo todo, e gostar de livros sem ler o tempo todo e amar alguém sem estar com ele o tempo todo, entendo o mais maravilhoso de tudo: que eu posso ser eu sem falar nisso o tempo todo.
E fim de papo.

Caminhando sob o sol

daqui 7 dias eu completo 24 anos. de todas as idades, essa é a que mais pesa. 24 anos parece definitivamente uma idade adulta, e de adulta, exatamente agora, não tenho nada.

2009 tem sido um ano no mínimo movimentado. estamos entrando na terceira semana do mês e eu já fiz e refiz e desfiz duzentas coisas. trabalho todos os dias, me envolvo todos os dias, decido todos os dias. preocupo quem gosta de mim, também.

meu horóscopo, cujos conhecimentos não levo a sério (I wonder why), mandou eu estabelecer resoluções de ano novo. nem preciso.
sei lá, a vida acontece.