Botei esse cartaz, mas a gente não cai não.

Era uma vez eu. E eu era uma pessoa muito negativa, sempre antecipando tudo que poderia errado, que daí, na hora do tombo, a queda até podia não ser menor, mas era ao menos antecipada. Eu vivia assim, muito negativamente, até que um belo dia me xingaram por isso.

Ok. Daí eu comecei a parar de reclamar. Apesar da não mudar o comportamento interno, é inegável que eu me tornei muito mais agradável. Esse blog não vale como parâmetro porque ele é um veículo externo do eu interno. ;p

Enfim, apesar de eu não ficar de choramingos mais, o negativismo continuou forte. Eu mantive a posição de antecipar as frustrações, mas conseguindo fazer isso com a agradável característica de não ser mais reclamona. Mas daí um dia, em uma simples conversa sobre uma viagem, me xingaram de novo. O negativismo, sem ser por reclamação, contaminava a minha fala.

Daí eu aceitei o rótulo de Alice, a trágica.

Alice, a trágica.

[Nesse conto-de-fadas, só existe a vilã com vocação de mocinha.]

E vivamos assim.

*eu vou tentar mudar, mas é difícil modificar toda uma filosofia de vida. :p

Anúncios

Then maybe I’ll give us things to talk about…

Talvez todo mundo perceba que eu estou tentando, sabe? Que finalmente tenham percebido que eu não gosto nem um pouco de ficar sentada vendo a vida passar e entre um suspiro e outro, dizer “mas puuuuuuuuuuuuxa, eu tenho quase 25 anos e não tenho mínima idéia do que fazer da minha vida”. Daí que eu vou embarcando em plano depois de plano, tentando achar um caminho, e tudo dá sempre tão errado que é muito difícil não ser negativa. Vamos combinar que eu já tenho uma PUTA tendência a ser negativa, mas agora são tempos especialmente difíceis para os sonhadores sem sonhos. :S

Dessa vez eu decidi tentar, tandãm, um terceiro plano. Terceiro porque só nesse semestre, já é a terceira vez que eu decido que é-o-que-eu quero-fazer-pra-sempre (mas nenhum dos outros dois funcionou, né? :p). Ai eu acho que hoje é o último dia que eu posso me permitir fazer nada, porque amanhã chega um sedex com umas 500 páginas para eu estudar e passar em uma prova… e mudar, de novo, tudo na minha vida.

Dias melhores poderiam vir, né?