I need more

eu aquela bobinha que quando faz um desejo, só pede para ser feliz.

talvez se eu começasse a ser mais específica, desse mais certo.

Anúncios

She likes sugar, and I like honey too.

(Pra fazer um post menos óbvio, saindo da indefinição que é a minha vida em tantos aspectos, vai um tema recorrente nas minha cabeça quando eu faço algo além de drama…)

Meninas gostam de ser enganadas. Ok, nem todas. Mas eu gosto. A-D-O-R-O ser tapeada. Explico.

Menino X. Bacana, bonitinho, inteligente, bom emprego. E tem uma característica adorável, me quer. Grande problema?

NÃO SABE OU NÃO TEM INTERESSE EM ME ENGANAR.

É amigos, ele só quer me comer. E deixa claro.

Se liga e chama pra tomar uma cerveja, antes mesmo de eu desligar o telefone, já deixa clara a intenção. Ao invés do bar, vendo que eu vou aceitar, oferece o apartamento. E por aí vai. Até uma mera conversa de msn adquire o tom “vou te comer, heim”. O dia mais absurdo foi uma dezena de sms fofinhas me chamando pra sair e a última relevando o lugar que ele queria me levar… um motel.

ALOW, ME LEVA PRA UM RESTAURANTE E/OU CINEMA ANTES, OTÁRIO.

Não tem como eu não dizer não. Não tem como eu não afastar ele de mim. Mas como bom “quero só te comer” que ele é, ele sempre volta. Aham. Volta sim.

Minhas amigas, sabendo que o tempo anda fraco pra românticas e, ao mesmo tempo, completamente pró liberdade, mandam eu ir. Mas não dá. Não dá.

A questão é que se ele tentasse me enganar, mais que provavelmente, eu já teria feito todas as coisas toda alegrinha e sabendo estar tapeada. Ou seja, his lost.

Como é que esses seres entram na minha vida? Porque a minha vida é cheia disso?

Homens. Grrrr.

(Grande decepção, quando eu não faço drama, eu sou uma moça de quase 25 anos retardada feito tivesse pouco mais de 13.)

You gotta help me out

A história funciona mais ou menos assim… meu pai, que nem na minha casa mora, bate na porta do meu quarto e me pergunta, assim que abre a porta, o que é que eu vou fazer da minha vida. A resposta é simples, não sei. Eu não tenho a mínima idéia do que fazer e qualquer opção é um mero “se jogar” na primeira coisa que aparece na frente. Não é porque eu quero, não é porque eu planejei. Não sei, e meus pais também não sabem, quando eu fui me tornar um ser humano tão perdido na vida. Mas eis me aqui, a mercê dos acontecimentos alheios, já que na minha vida nada acontece mesmo. O ideal seria, a bem dizer, que me aparecesse na frente uma escolha óbvia, dada, sem esforço e indolor. O que é impossível, porque no pain, no gain. Então é isso.

Papai, não sei.

let it tear us apart

Agora mesmo eu li uma amiga dizendo que nunca tinha andado de avião. Ela tem quase a minha idade e nunca entrou em um avião. Eu andei de avião incontáveis vezes, intermináveis horas e sem dar valor algum a aquilo. Eu andei de avião antes de ontem, pra ser bem específica e clara.

Na Argentina, de onde voltei antes de ontem, by the way, a gente foi jantar com uma amiga argentina da Laila. Desconfio bem muito que, durante esse jantar, as minhas amigas devem ter me achado bem chata porque monopolizei loucamente a conversa. Não era nem especificamente a vontade de praticar espanhol que me fazia ficar falando minutos a fio sobre eu eu eu eu eu… mas o intenso interesse que aquela menina fofinha tinha na minha vida.

(Porque todo mundo não tem o mesmo interesse supremo pela minha vida? Ia acalentar bem mais o meu ego. =p)

Enfim… lá pelas tantas da minha viagem ególotra, ela olha pra mim e diz “Sos tan chica y has hecho tanto”. E ai, mais ou menos agora, caiu a ficha. Eu tenho 24 anos e já fiz um taaaaanto de coisa. Já andei de avião um quadrizilhão de vezes, de navio também, já viajei pra fora, trabalhei em lugares bacanas, conheci gente de toda parte, me aventurei, me apaixonei, me iludi e caí. Faz parte da vida.

Ok que 2009 foi O ano perdido, mas passou.

Galere, galere, estamos em 2010 e eu vou fazer 25 anos. E eu tenho a obrigação de ao menos tentar se feliz, apesar de… Porque yo soy tan chica y todavia tengo tanto tiempo para hacer mucho más… lo que quiera!

ENTÂO… obrigação moral… toca esse vídeo do youtube ai e canta o refrão comigo:

 let’s dance to joy division and celebrate the irony
everything is going wrong but we’re so happy
 let’s dance to joy division and raise our glass to the ceiling
 ‘cos this could all go so wrong but we’re just so happy yeah,
 we’re so happy

 Depois a gente ouve Joy Division, termina de vez de curtir a fossa dessa merda que 2009 foi… e MOVE ON!