Should I give up?

aquela sensação infinita (não de ser enorme, mas de que parece que nunca vai acabar) de estar fazendo tudo errado.

Anúncios

Without me listening to you

acho, de verdade, que eu não sou uma pessoa que leva conselhos alheios a sério. meio que posso dizer que tudo na minha vida foi feito, até aqui, por mim. óbvio que existem influências alheias, mas a minha abertura para o externo era meramente reflexo do que eu esperava conseguir. em nenhum momento eu posso falar “olha, fiz isso porque escutei fulano”. não posso exatamente culpar ninguém.

é quase engraçado isso, porque eu sou a rainha das confidências. eu, às vezes, sou elevada por alguém a não-nobre posição de conselheira oficial. e me gabo por ai do tanto que meus conselhos são bons.

pois de repente eu fui escutar. e um conselho ecoava o outro. lembrei de uma conversa que tive com uma amiga em 2006… 2006, quando a vida era tão diferente. ela me mandou fazer as mesmas coisas que me disseram pra fazer ontem. e me dissram duas vezes. duas pessoas que são próximas de mim e não se conhecem. todo mundo vê e só eu que não ouço.

ouvidos a postos. te juro.