drama queen

um dos meus amigos encontrou a minha mãe na rua e perguntou se eu ainda estava viva. ele explica que o meu email informando  ao meu grupo de amigos de colégio sobre a minha entorse foi das coisas mais dramáticas da história do mundo. o pior é que nem ofendida eu fiquei. além do email ser todo verdade, eu tenho um jeito dramático de narrar as coisas amplamente conhecido por mim e por meus receptores. eu até diria que no mundo existem duas realidades, a real, e como eu a leio.

se eu tivesse uma bula ou manual de instruções, deveria vir em letras garrafais: ALTO COMPONENTE DRAMÁTICO. ai tudo que eu dissesse era atenuado e diluido dentro do cérebro da pessoa. a coisa é que não é porque a narração é dramática que o evento em si não seja.

do meu “dramático” e-mail, não recebi uma só resposta de “melhoras” ou qualquer coisa acusando minimamente o recebimento da mensagem. ou seja, ou meus amigos já fazem essa tradução do dramático, ou não se importam mesmo.

 

ok, esse final foi dramático. mas enfim.

Don’t look back

Postei muito pouco aqui esse mês. Outubro talvez tenha sido o mês mais feliz do ano, o que explica, e muito, a minha ausência. A satisfação reduz a reclamação. Há meses não me sentia tão ok, o que é perigoso, porque do conforto da situação começa a vir o desconforto de não sair do lugar. 2010 vai acabar sendo um bom ano, porque vou terminar mais saudável do que comecei. Não que eu seja uma pessoa equilibrada e sensata, porque isso é impossível sendo eu, eu. Mas agora tudo faz mais sentido, as coisas estão voltando a sua ordem e eu estou retomando o controle. Não me apaixonei por ninguém esse ano inteiro, o que mostra o quanto eu estou focada em mim mesma – ou o tamanho do trauma de homens que eu criei – o que é positivo, porque tudo esse ano foi me e mimimi.

A terapia tem me ajudado muito, apesar da minha mãe raramente concordar com isso, já que quando a gente briga, diz ser culpa da terapeuta. Só me incomoda o fato de vez ou outra eu sair de lá questionando a inteligência de quem tanto me ajuda, o que indica, na verdade, que eu estou voltando a ser mais eu. Eu sempre me senti inteligente, mas estava me esquecendo como era isso. Unica parte da minha vida que eu sempre me autorizei a ser esnobe e julgar os outros. Não que isso seja bom. Mas é mais eu.

E nessas, eu sei que vou crescer um tanto.

das dores físicas.

eu, com toda a minha elegância e delicadeza clássicas, movimentos calculados e equilibrados, virei meu pé na rua, sozinha, enquanto ia pro trabalho. tava lá eu, feliz e satisfeita escutando belle & sebastian e me imaginando no show e eu torço meu pé. o resto é história.

onde era meu tornozelo, se encontra uma bola de boliche. vou usar muletas nos próximos dias, que o médico me proibiu de pôr o pé no chão. sair? beber? tomar cafés? dirigir? m-o-r-r-e-u. daí meus planos empolgantes pro feriado, que devido ao meu pé, já começou, são ler “o apanhador no campo de centeio”, decorar todas as músicas novas do cd novo do b&s, assistir todos os programas esportivos do mundo e, obviamente, aprender a usar as muletas.

nunca quebrei o pé, mas espero nunca quebrar, porque essa entorse já dói o suficiente.

altas emoções na vida.

Old teenage hopes are alive at your door

meu time venceu de maneira linda (de virada, aos 47 do segundo tempo), meu celularprêmio-novo é coisa mais linda que tem (todo modernoso e cheio de praticidades), meus bichos de estimação são lindos (todos muito bem de saúde, obrigada), eu tenho amigos lindos e ótimos(os que eu vi no almoço, a que veio aqui em casa trêbada) e meu sábado foi lindo e fodástico.

esse post pode ser ininteligível.

mas a felicidade é real.

:)

bom, porque EU vou votar na marina?

porque nos 30 anos de vida pública dela ela sempre manteve coerência e a mesma linha de pensamento, fosse no pt (e participou da fundação) ou no pv. a marina não é um candidato “fantoche”, criada por “caciques” que querem continuar no poder. seu crescimento e caminhada parlamentar se deu de maneira natural e sempre coerente. marina foi vereadora em rio branco, depois deputada estadual do acre, depois senadora até chegar a ministra. foi a senadora mais jovem eleita, com 36 anos. isso que até os 20 e poucos anos era analfabeta.

como ministra do meio ambiente praticamente durante toda a gestão do lula, ela foi responsável direta pela PRIMEIRA redução de queimadas e desmatamento na região amazônica, por meio de programas diretos e efetivos levando à presença do governo em uma área que era até então não governada.

internacionalmente sempre foi reconhecida por sua seriedade e vista como uma das pessoas mais focadas na proteção ambiental.

saiu do governo por não concordar com o andamento da pasta de meio ambiente, em 2008. saiu do pt, já em 2009, pra se lançar como candidata do pv, mas não porque queria ser a candidata do pt, mas porque queria ser uma ALTERNATIVA.

a proposta do governo não é só baseada no meio ambiente, mas na diversidade. possui diretrizes sociais fortes, coisa que é vista como essencial no país.

ao menos, pra mim, meu voto é bem claro.