Querido Clube Atlético Mineiro,

Gostaria de informar-lhe que faltam apenas 4,900 para eu cumprir a meta prometida. Assim sendo, creio que dentro de um mês lhe entregarei todos os quilos prometidos na mais idiota e apaixonada das promessas futebolísticas e você, como uma contraparte que é uma entidade recíproca nesse amor deve começar a agir de acordo.

Dessa maneira, vamos lá parar com essa bobagem de IAPE e Van-Van e ganhar essa meleca de Copa do Brasil. Além disso, pelo-amor-dos-meus-10-quilos, contrata um lateral que preste? E perder pro América, Atlético? Francamente? Um dia antes de eu te entregar 6,100 em 25 dias?

As coisas não andam nada bem, viu.

Beijos, ainda apaixonados, porque o amor tende a ser idiota,

daquela que vai fazer mais uma hora de exercício aeróbico, mas vou te dizer que tá sendo mais por mim do que por você, viu, porque dado o que o Ricardinho e Renan Oliveira jogaram ontem… pfffff…

Adivinha quem vai morar em Recklinghausen?

vou contar para vocês minha nova (ok, antiga) fantasia. era achar meu um dos alemães que moravam comigo em Buenos Aires no facebook e ficar trocando mensagens, e curtições e pokes nessa vida até que estivessemos irremediávelmente , novamente (não só dentro da minha cabeça) apaixonados e ele viesse pro Brasil me ver, eu fosse na Alemanha vê-lo e a gente ia casar e eu ia morar em Recklinghausen com ele. Ok, a parte da cidade é nova, ele me contou hoje de manhã que tava morando lá.

Então, achei ele no facebook, mandei uma mensagem tendendo a idiota perguntando se ele lembrava de mim e ele respondeu por mensagem contando o que fazia e onde morava. Estou tendente a responder pulando algumas etapas e mandando ele vir me visitar no Brasil, pra gente casar logo e ter filhos de olhos verdes.

Mas vou pensar melhor quanto ao que responder ainda… :p

a morte do cisne branco

eu tô com muita vontade de escrever aqui agora. ou talvez só seja a pouca vontade que eu tenho de fazer as coisas que eu tenho que fazer. eu continuo procrastinando as coisas que me incomodam, sendo esse um traço da minha personalidade que eu acho imutável. é simplesmente confortável ser assim. evitar a dor.

mas eu não posso, sabe. 2011 é o ano. vou ficar repetindo até ser. vou ficar repetindo até eu acordar de manhã e ser tudo como eu queria. até eu olhar no espelho e gostar do que eu vejo e pensar no meu dia e gostar dos meus planos.

eu funciono bem com listas. eu preciso de listas. tenho que ligar pro que me incomoda – incomoda tanto que eu nem falo o que é, pra não incomodar mais, uma coisa meio harry potterana. eu tenho que ir ao médico, mas já tá tudo marcado. tenho que arrumar minhas coisas pro carnaval, que ai, já é semana que vem. eu tenho que ir lá no espanhol. eu disse que ia fazer espanhol e até agora não lidei com isso. sou muito alice.

minha psicóloga ontem, meio no surto por ter assistido “cisne negro”, perguntou qual alice que tinha que morrer. tô aqui pensando que ela já tá morrendo. a negativa. e chata. o cisne branco. eu mesmo tô matando ele agora. asfixiado. e de fome. e com exercícios obrigatórios. coitada da alice cisne branco morta.

mas vai ser tudo pro bem, não vai?

semana que vem já é março!

– sinto uma vontade enorme de por um i depois de cisne. fica mais bonito como cisnei, não fica? eu falo cisnei.

ps: esse post é de hoje, os debaixo são de ontem. consegui arrumar o horário do blog, mas teimoso que ele é, manteve as postagens todas datas erradas. enfim, finalmente, tô vivendo no meu próprio tempo.

And I might be a little bit bruised.

um número infidável de posts desse blog, e alguns deles, privados, são relacionados a todo o drama e conflito que eu vivi com relação a uma pessoa. todo o processo de se apaixonar, viver, se fuder, se fuder ainda mais, se fuder muito, ficar completamente devastada e superar, aqui.

ai faz meia hora que eu, casualmente, stalkeando o facebook alheio, leio que ele vai se ~casar~ no meio do ano.

e a vida segue, né.

porque tem que seguir. porque já passou. porque não importa mais.

só sei que no meio do ano eu vou estar magra.

All the things that come to you and I wanna feel it too

acho que eu voltei a ser eu mesma. não foi fácil, mas acho que voltei. ou tô quase. o caminho é longo.

há tempos a minha atividade principal é catar caquinhos dos últimos 5 anos. e ai de quem dizer que eu não melhorei.

meu pai sair de casa, a separação deles, o ser sozinha na argentina, o ser sozinha nos estados unidos, a chefe que me destruiu, a perda da confiança, o coração quebrado, a mágoa da amizade perdida, as brigas infidáveis, o não gostar de mim mesma.

catei caquinhos e me refiz.

agora eu me dou conta que sou eu de novo. que nem com tudo isso eu perdi a minha “essência”. bobeando voltei mais forte. é estranho tudo isso.

outro dia discuti com uma amiga e ela disse que eu tenho complexo de “mocinha de malhação”, que sou viciada em um bom-mocismo descarado.  não é que sou?

essa sou eu.

e é essa mesmo que quero ser.

só que sabendo lidar com meu pai, me envolvendo menos nos problemas entre meus pais, aprendendo, e querendo, ficar sozinha nos lugares, viajar, ser forte e ter uma chefe que me admire, não me destrua. confiar mais em mim mesma, ser mais bonita, me apaixonar de novo, confiar de novo, ser mais amiga de quem é meu amigo, cuidar de quem cuida de mim. brigar menos, escolher melhor minhas batalhas, essas coisas todas.

tim-tim por tim-tim.

olha, não é fácil não.

mas 2011 é o ano. e os primeiros 10 são pro galo.

ps: só preciso parar de procrastinar naquilo que mais me incomoda.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

meu avô materno morreu antes de eu completar 11 anos. às vezes eu me esqueço um pouco do rosto dele, o que me assusta um pouco. da voz , não lembro mesmo. mas ele tinha os olhos verdes, era moreno, alto, careca e tinha bigode.

meu avô falava cinco línguas, fluentemente. ele era médico e foi inclusive médico do cruzeiro – coisa em que eu tenho prazer em desonra-lo, torcendo fanaticamente pelo atlético.  ele me levava em jogos de futebol, coisa e tal. meu pai até hoje fala com um respeito enorme sobre ele.

minha irmã escuta, todos os dias, um “toque de clássicos” na guarani fm. escuta porque minha mãe disse que meu avô ouvia todos os dias. se sente perto dele com isso. eu  achava bonitinho, mas nem sentia necessariamente essa vontade de ter uma ligação direta com ele. eu não sentia uma ligação direta com ele.

fazem 15 anos que ele faleceu.

isso até essa manhã.

outro dia peguei no armário de livros aqui de casa – um acervo literário invejável e que devia ser compartilhado com o mundo, sinceramente –  uma série de livros que achava que tinha que ler. peguei dois do vargas llosa e minha mãe logo cravou “começa com ‘tia julia e o escrivinhador'”.

primeira página, a assinatura dele. do meu avô. a edição é de 1977, sendo assim 8 anos mais velha que eu. de trecho em trecho, tem uma barra no final de uma frase. imagino eu que sejam marcações da última palavra que ele leu.

ai vem aquilo, né. o sentimento de proximidade com quem já foi embora. o saber que você tá lendo a mesma coisa que alguém, que fez tanta falta na sua vida, leu não sei quantos anos atrás. a tal ligação veio.

obrigada por ter ido da bolívia pro peru, tia júlia.

Cliquem aqui, amiguinhos russos*

Todo dia chega alguém nesse blog procurando origami em russo. Tipo, a palavra origami, escrita em russo. Eu via lá nas buscas esses caracteres engraçadinhos, dia após dia, até que uma hora a curiosidade venceu e eu joguei no tradutor do google. Como um buscador consegue apontar meu blog como resposta pra essa pesquisa, a ciência nunca explicará, mas resolvi ser best e colocar pra eles um link pra uma página do google que realmente tem origami em russo. :p

 

оригами в Россию

 

*Нажмите здесь, русских приятелей