5 years from today

Ok. Me passaram uma atividade que era escrever uma carta como se fosse daqui 5 anos e simplesmente tudo tivesse dado certo. Tanto pensamento positivo me assusta um pouco, e na carta eu me dei de presente um marido e tudo certo e lindo, com planos bonitos de ir a Machu Pichu.

Ai Deus.

SENTE A VONTADE AI E REALIZA.

grata


27/05/2016

Oi Rosangela

eu ando muito ocupada, mas é sempre bom tirar um tempo para mandar notícias, né? Tá tudo bem por aqui, tranqüilo, apesar de ser uma vida corrida. O ambiente de trabalho é muito bom e a equipe funciona muito bem junta, acho que nunca estive tão feliz trabalhando. Lembra que eu reclamava dos dias que eu acordava e pensava “ai, que horrível, hoje tenho que trabalhar?”… fazem anos que isso não me passa pela cabeça. Estou sempre com idéias novas e muita disposição.

A melhor parte, com relação ao trabalho, é que estamos conseguindo expandir muito a nossa área de atuação. Conseguimos uma maior integração com instituições de toda América Latina, estabelecendo uma cooperação e uma rede de networking muito válida. O aprendizado tem sido intenso e toda a equipe está crescendo muito com isso.

Recentemente tirei o certificado da PMI (Project Management Institute), o que me faz agora credenciada como gerente de projetos. Isso, somada a pós de gestão de projetos, fala do tanto que estou realmente preparada para a posição que ocupo recentemente. Com mais uns cinco anos de experiência, planejo buscar uma posição em uma organização internacional, como a ONU, para passar uns anos fora. Acho que também vai ser muito bom no campo pessoal porque o meu marido tem interesse de se qualificar fora do país. É juntar o útil ao agradável.

É muita coisa, mas você pode ter certeza que não estou me esquecendo de mim. Mantenho a terapia, o kickboxing, o trabalho voluntário e o tempo de lazer. Estamos economizando para, nas férias, irmos a Machu Pichu. Então, posso mesmo dizer que está tudo bem e que estou feliz. Um dia após o outro, conquistando as coisas.

Obrigada por tudo, Rosangela.
Espero que minhas boas notícias te deixem feliz.

Beijos

Alice

Anúncios

dear ex sweetheart

i´m so not. agora que tá tudo bem, eu fico me perguntando a mesma coisa que vira e volta a terapeuta me perguntava: mas como é que você deixou ele fazer isso com você?

mas se fosse tão coerente todas essas coisas do coração, quando eu fosse procurar um nome no facebook, o dele não seria o primeiro que ainda vem à minha cabeça e que eu faço questão de evitar. porque se eu nem lembrasse, se eu nem sentisse, se ainda não doesse, ainda que só um pouco, nem o esforço de tentar esquecer eu precisava passar.

passa. pra ficar mais fácil e coisa melhor vir.

que eu já tenho asa.

sempre disse que depois dos 20, eu faria uma tatuagem. completei 20 anos, fui lá e fiz. escolhi o desenho mais bonitinho, sem pensar muito antes, e meti no tornozelo. são três borboletas, alçando vôo. clichê? aham. a tt descobriu no mesmo dia o que era a tatuagem, via msn, em três segundos no seguinte diálogo:
– fiz uma tatuagem!
– deixa eu adivinhar, borboleta?

sou típica? previsível? :p

mas sempre amei minhas três borboletas, apesar da obviedade delas terem sido apontadas quando elas existiam há apenas meia hora.

durante muito tempo, quis fazer outra tatuagem. mas eu tava ocupada sendo eu, ou ocupada me perdendo de mim e se eu não conseguia decidir nem em que país iria morar, imagina se eu ia escolher tatuagem? daí, tendo achado um maior ~equilíbrio~, prometi que depois dos 20 vinha uma. cheia de significado. escolhi os passarinhos e os ramos que estão num post super googleado por ai. não vou fazer exatamente eles, vou pedir para serem três passarinhos (porque tudo meu vai vir em três) e todos vermelhos (que ficam melhor na minha pele morena).

enfim. os 20 vieram. 20 quilos, bitches. perdi 21 quilos desde o dia 2 de fevereiro, que foi quando comecei essa maldita dieta (ou bendita, porque vem funcionando?).

tenho um plano de uma terceira tatuagem, que possivelmente será a última (só mudo de idéia se tiver filho e morrer muito de amores). vai ser a coruja, porque eu decidi que só tenho tatuagem que voa. vai ter um significado muito forte, além de iniciais escondidas na penugem. se a minha irmã não der pra trás, com seu medo de agulhas, faz uma tatuagem de coruja também. porque somos certezas uma na vida da outra. vai ser uma tatuagem com dois significados, mas pra ela existir, algo tem que acontecer antes. e não vai ser um 20. mas vai ser um sonho. e tem que ser concretizado já. tipo meus 20.

daí de três borboletas, escolhidas porque as achei simpáticas, vou ter tanto significado que nem a senhorita maria tereza vai poder sonhar me acusar de clichê. só terei tatuagens que voam, remetendo a sonhos e à liberdade, terei tudo em três, o que remete à estrutura da minha vida. além de amar, como a menina bozinha fofuchinha bonitinha que eu sou, borboletas, passarinhos e corujinhas.

Querido diário,

Um dia eu cheguei muito cansada e dormi de lente. Daí no dia seguinte eu acordei com os olhos muito vermelhos, achei que fosse só irritação e fui trabalhar. A luminosidade me incomodava, mas óculos escuros existem pra isso mesmo, né? Chegando no trabalho, aqueles gringos malucos me trataram como portadora de ebola, e mandaram eu ir no posto médico. Achavam que era conjuntivite, que é contagioso, né. Mas enfim.

A mulher do posto médico lavou meu olho com soro, mantendo uma distância segura de meio metro de distância de mim e mandou eu ir no hospital. A Jenn me levou. No caminho encontramos uns amigos que tavam no café que ficava no prédio e o cara que eu ficava às vezes perguntou o que eu tinha… respondi que achava que era conjuntivite e ele saiu correndo pra dentro do café. Sem brincadeira. O amor acabou ai.

O hospital era tudo mentira do que a gente vê nos filmes americanos. Demorou séculos a triagem, apesar de estar vazio, e nenhum atendente, médico, enfermeiro ou whatsoever era minimamente parecido com qualquer médico dessas séries. Lá descobriram que não era conjuntivite nenhuma, mas a minha lente que tinha me machucado. Me passaram uma pomada e mandaram eu ficar de repouso por 3 dias, sem sair na luz do sol. Era uma pomada pra por no olho antes de dormir, ai você acordava com ele todo melequento. Horrível.

Eu morava sozinha. Mentira. Eu morava numa casa com 7 pessoas sendo que nenhuma delas sequer sabia meu nome. Passei 3 dias sozinha, sem ver nada direito, sem mal sair do quarto e me alimentando mal. Sem quem cuidar de mim. É horrível não ter quem cuidar de você.

Mas sobrevivi, né. Assim como meus olhos.

Ano passado quando eu torci o pé, reclamei mentalmente muitas vezes da minha mãe. Tipo, da falta de cuidado dela, do tanto que ela reclamava de me ajudar, de como ela fazia parecer um fardo ter que cuidar de mim.

Só que olhando assim, em perspectiva, é 100 vezes melhor ter quem vá alugar muletas pra você e leve jantar no quarto, mesmo reclamando, do que passar 3 dias com fome porque você não pode ir ao supermercado de dia e ir de noite seria perigoso.

Voltar pra casa, às vezes, tem seu valor.
É bom ter quem cuide de você.

SF is still calling me.

o grande problema dessa vida andarilha – nem que eu atualmente tenha uma assim – é que você vai deixando gente pra trás. todo mundo perde contato com gente, esquece de gente, nem lembra do nome, rosto ou voz de gente. mas essa vida andarilha te obriga a deixar pra trás pessoas que, caso estivessem na mesma cidade, estado, país ou até mesmo continente, você veria sempre.

e ai ficam essas saudades apertadas de pessoas tão queridas que estão tão longe e ainda assim tão dentro da gente.

porra.

sendo feliz e sabendo.

você se torna eternamente responsável…

… por aquilo que escolhe.

minha psicóloga sempre me pergunta como eu me sinto quando as pessoas me perguntam qual é a minha profissão ou o que eu estou fazendo da minha vida.

já contei pra ela que não dói mais. porque eu sei o que eu quero. achei a tal da vocação. daí eu falo que estou tentando me ~alocar~ no mercado, e que eventualmente a vaga certa vem. vou fazendo contatos, trabalhando no que é necessário… e os eventuais “não” já começaram a chegar.

uma hora dá certo. não dá?
não quero estar nesse mesmo ponto em um ano.
antes eu tava perdida, agora eu sei onde quero ir, só me falta chegar.