The tune she hums

Quando eu era mais nova, gostava de imaginar o cenário ideal das coisas. O que seria se tudo, absolutamente, desse certo? Se eu formasse com notas incríveis, fizesse entrevistas fantásticas, fosse empregada no lugar dos sonhos, ganhasse vários e muitos dinheiros, viajasse, conhecesse um cara legal, casasse e pronto, aos 28 anos de idade já seria feliz.

Não tenho 28 anos ainda, mas faltam bem pouco. E faltam bem muito pro cenário acima, que nem necessariamente é o cenário ideal. No meu plano de infância as viagens eram de férias, não morar fora. E um cara legal que goste de mim e eu goste também… cri cri cri. E ademais, obviamente, aos 19, 20 anos, eu não sabia que queria estar fazendo exatamente isso que estou fazendo. Mas estou.

Ontem  numa reunião importantíssima a fixa caiu um pouquinho: as coisas não são ideais, nada é perfeito, mas o big picture tá aqui. Exatamente aquilo que eu escolhi fazer quando decidir “enveredar” por novas áreas, tá aqui. E foi rápido: coisa de um ano depois. Em agosto do ano passado eu fui à um congresso que super traçou minhas metas para esse ano. Cheguei em casa e escrevi a respeito, li tudo, mergulhei nessa área. E hoje eu tô aqui. Não linda e plena, mas aqui. Tendo trocado de emprego duas vezes desde então, mas tô aqui.

Tirando tudo que não sou eu, e assim, tudo que eu não tenho controle, é 100% de sucesso.  Total aproveitamento no que depende de mim, profissionalmente. Não um plano de 20 e poucos anos. Não o que todo mundo poderia imaginar ideal. Não chega nem perto do que eu já quis. Mas em algo que eu posso ser realmente boa, algo que eu faço diferença real.

E então, apesar de tudo, no meio daquela reunião eu me senti genuinamente feliz. A sensação positiva meio que me fez concluir que não importa o cenário ideal quando mesmo o imperfeito já é muito.

(e dessa conclusão, foram me dando vontades expansionistas incríveis e meu atual plano é dominar o mundo, Pinky!)

 

ps: o bom de ter um blog que tem absolutamente tudo da sua vida (5 anos registrados aqui, socorro!!!) é poder voltar no tempo e ver que ó, enquanto eu planejava, já era bonito!

One thought on “The tune she hums

  1. “não importa o cenário ideal quando mesmo o imperfeito já é muito.” ²
    bem o que eu senti hoje. Ainda não está como deveria, mas só de estar no caminho certo, dá uma felicidade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s