Eu lhe prometo o sol

Várias vezes, em momentos de maior ansiedade, fantasiei em enviar e-mails de despedida desse emprego. Alguns tinham uma carga dramática de alívio, outras com indiretas. Os e-mails que escreverei, na verdade, terão alto senso prático: ó, tô saindo. Obrigada por tudo, desculpa qualquer coisa. Bjs.

Ontem fiquei, egocentricamente, dando saltinhos de alegria porque as minhas duas maiores clientes disseram que lamentavam muito a minha partida e ficavam preocupadas com o que ia acontecer aqui sem mim. Fiquei mais feliz ainda porque quando contei para onde vou e o que vou fazer, ambas responderam “então vai mesmo”.

Porque tenho que ir mesmo. Porque essa é a melhor oportunidade que já me aconteceu. Porque eu sei viver longe do que é meu. Porque eu anseio construir minha própria vida. Porque eu acho que vou ser feliz perto do mar.

Sentirei saudades das montanhas, que me fazem sentir tão segura. Da minha mãe, que é tão importante a cada dia e traça o caminho mais seguro meu a qualquer lugar. Dos meus gatos, que não sei como viverão sem meus amassos. Da minha cama, que é o melhor lugar do mundo. Dos bares cheios, que são tão BH. Dos meus amigos, que são tão meus e me conhecem tanto. Do Galo, que tanto ocupa meu tempo. Da Grupa, que me trouxe amigas tão maravilhosas e um feminismo tão ativo.

Belo Horizonte, eu te amo. E você só me faz bem. Continue sendo minha, que eu continuarei sendo sua, falando cadenciado e manso, mesmo além. Hei de resistir aos oxi e ser fiel ao trem.

Pequena lista do meu coração partido

1 – Quando eu tinha 20 anos, meu pai chegou em casa e avisou que nunca mais iria voltar. Disse para mim e mandou eu avisar à minha mãe. Foi embora sem perguntar se eu estava bem.

2 – Após meses sem vê-lo, encontre-o, coincidentemente, na rua. O convidei para sair e retormar o contato. Falou que me encontrava quando a minha irmã voltasse do intercâmbio. Faltavam 2 meses.

3 – Entrei numa livraria e peguei um livro dedicado a mim e minha irmã. Na edição nova, tinha dedicatória romântica à esposa.

4- Um dia ele nos convidou para ir na casa dele. Tinha fotos de um casamento para o qual nunca fui convidada.

5 – Via meu pai toda semana e achava que nossa relação ao estava reestabelecida. Um dia contou que tinha tido uma filha, já nascida. Passou pela gestação inteira e não contou porque não queria que a gente soubesse mesmo.

6 – Me reaproximei do meu pai recentemente e pedi dinheiro para ajudar minha mudança. Ele disse não. Mesmo assim, liguei hoje dizendo que já tenho data para ir embora. Ele me disse que vai ver se vai dar tempo nesses 20 dias de me encontrar.

Coração acelerado

Para decepção de tantos, todas as vezes que me perguntaram "você tá animada com a mudança?", eu dizia que não. Era muita coisa aberta (e era mesmo e ainda é) só que agora ela tá perto. A ficha, finalmente, caiu.

Eu achava que ia em junho e agora vou ter que ir em meados de maio. Essa informação significa que eu tenho menos 20 dias do que eu imaginava pra inventar uma mudança todinha.

Que desespero. Tô ansiosa, morrendo por dentro… é tanta coisa para fazer. Só sei que e meados de maio tô lá eu morando na Bahia.

ENFIM.