I’m still the one I’m after all these years

Eu sou uma pessoa muito ansiosa. E é difícil viver com isso. Eu fico sem dormir, eu faço mal a mim mesma, eu acabo estragando alguns relacionamentos.

Eu sempre fui muito pressionada dentro de casa, com padrões altos. Nem sempre os alcancei. O preço de pagar trouxe dano emocional. Mas parte da maturidade está em perceber a humanidade dos meus pais e perdoa-los nas falhas da minha criação. Não é parte essencial do meu viver tentar culpabilizar esse tipo de pressão que recebi, mas obviamente contribuiu na minha conta final para me tornar um ser ansioso.

Como quase qualquer pessoa com problema alimentar, que no meu caso é obesidade, eu como como conforto, para controlar minha ansiedade. Meus problemas pessoais e profissionais muitas vezes são confortados por comidas gostosas. Tem toda uma questão da autoimagem que a obesidade me traz e como a sociedade me percebe que acaba também colocando combustível nessa ansiedade.

Eu tenho buscado ser mais generosa comigo, sem necessariamente precisar da comida como primeira ação. Eu tenho buscado valorizar quem eu sou, como eu sou, a mulher que estou me tornando e o meu caminho. Tenho tentando direcionar amor e perdão em minha direção.

Não sei se vocês conhecem o  Ho’oponopono, que é uma técnica de repetição de um comando, tal qual um mantra, para purificar os pensamentos. Você repete: “Sinto muito, me perdoe, eu te amo e sou grato”. Independente de acreditar na capacidade do comando ou não, tão pouco a gente repete de fato essas coisas para a gente.

Não nos desculpamos a nos mesmos dos nosso comportamentos negativos e autodestrutivos, não nos perdoamos e reconhecemos nosso nível de humanidade por termos cometidos essas falhas, não nos amamos e reconhecemos que serem incríveis somos e não somos gratos a nós mesmos e ao universo por tudo que temos.

Um comportamento racional de tentar me valorizar tem sido muito rico para mim nesse combate de ansiedade.

 

Esta cosa se prendió, baby

Dormir quentinho do seu lado, acordar em silêncio pra não te atrapalhar, mandar mensagens durante o dia contando pequenos estresses sabendo que é você quem responde e que se importa de verdade. Chegar em casa com abraços esperando, ver tv comentando e torcendo, fazer planos pro fim de semana. Pensar nas saudades de um mês sem te ver, lavar a roupa junto, cozinha junto, viver junto. Comprar uma comida que você gosta, pensar em você durante o meu dia. Não ter mais medo do futuro porque se for igual ao presente eu vou com você até o infinito.