Falando sobre abril

Passei quase um mês na casa da minha mãe. Foi muito bom estar pertinho, é um tanto tranquilizador ter tantos dias bons. Volto mais feliz do que fui.

Durante esse intervalo, muita gente querida perdeu gente importante. Maioria por Covid, mas nem todos. Tenho pensado muito sobre a vida e a morte.

Na última sessão de terapia, que foi há quase 15 dias, a psicóloga mandou eu pensar sobre ranço e como superar rancores.

Fiquei pensando pouco nisso, mas mais na importância de criar momentos e memórias. De repente eu tenho mais medo de não viver suficiente do que de morrer.

Sempre há espaço para novas aflições.