E eu vou torcer pra ser você e eu

De longe. Tão longe que pareceu seguro. E eu fui abrindo um coração que tava fechado há anos. E mesmo longe, às vezes perto, uma certeza de amor.

Amar e ser correspondida. Das mil dúvidas, somente a certeza tinha amor ali.

Em 10 dias elas acabam: na minha casa vai ter eu e você.

E ela vai passar a ser nossa.

tumblr_o9cy9rYenN1sufurvo1_1280.jpg Ao meu lado.

Anúncios

A mí me gustaba que escribían poesías

Duas pessoas talentosas e incríveis da minha juventude se mataram nos últimos 15 dias. Meu coração está apertado. Não impera um senso de injustiça, mas de impotência. Porquê essa escolha?

Dá vontade de falar pra todo mundo: se cuida. Leva suas dores a sério. Não deixa viver ficar insustentável. Pede ajuda.

Eu, egoisticamente, queria ter tido a oportunidade de exercer mais carinho e admiração . Mas sei que nada que ninguém tivesse feito evitaria o caminho.

Tanto futuro. Tanta pena. Estou arrasada duas vezes.

Someone’s gotta give, someones’s gotta break

Quando eu entrei na firma, tive logo em seguida o desafio de participar de uma reunião com executivos de fora do país e reportar resultados que ninguém tava controlando até então. Então me mandaram ligar pra ela. Luiza.

Liguei, peguei os resultados e passei a me relacionar com frequência. Tudo okay.

Em meados de outubro, 5 meses já de firma, a conheci pessoalmente. Reunião empolgante sobre o projeto. Devo ter repetido Luiza inúmeras vezes.

Tudo okay.

Nos emails seguintes, reparei na assinatura de e-mail com o nome errado. Faltava um a ali. Mas eu continuei a mandar e-mails “Luiza”, “Luiza”, “Luiza”…

Até que me mandaram um e-mail que o ponto focal do relacionamento tinha mudado e era outra pessoa. Tudo ainda okay.

Ontem, antes de dormir me deu uma curiosidade sobre uma data do nosso projeto. Entrei no site para checar. Aparece o nome do responsável pelo projeto: sem a. Era Luiz. Not okay.

Me deu um incômodo. Ponho no Facebook. É Paul. É trans. É ele.

Um adesivo de invisibilidade trans na foto do Facebook já me alerta: eu sou uma das que não vê.

Nunca pensei que o Luiz não podesse ser Luiza, nunca pensei que aquela pessoa era qualquer coisa além de cis gênero. As roupas e o estilo? Lésbica mais masculina, porque eu teria problema com isso? Eu me recusei a ver.

Eu morri de vergonha. Eu morri de tristeza. É tão importante para mim, eu sou tão solidária à luta.

Quero me desculpar sem parecer que é sobre mim. Não é minha consciência que tem que ter um alívio. É uma existência onde o outro te nega o direito de ter o gênero reconhecido mesmo que a assinatura de e-mail evidencie ele.

Shame on me. :(

Little voices in my head

Meu amor diz que não me conta as coisas porque eu me preocupo.

Mal sabe ele que minha preocupação é amor purinho. Meu signo explica (mas ele também não acredita nos astros), como aquariana eu sinto as dores do mundo, mas não sinto a dos outros. Mas calhou de eu me apaixonar e dedicar parte dos meus dias a preocupar-me com outro e não outros.

Eu estou bem preocupada porque ele vai mudar pra cá. Já contei aqui que não sei ser feliz, quando chega qualquer coisa boa, já começo a sofrer com as consequências e desdobramentos possívelmente complicados dessas coisas que até então eram felizes e esperadas.

Será que ele vai ser feliz? Será que ele vai gostar daqui? Será que vai conseguir emprego? Será que vai aprender português? Será que a gente vai brigar muito?

Meu amor, porque é meu amor, me disse que eu não sou responsável pela felicidade dele e tirou uma tonelada de peso das minhas costas.

Hoje faltam 40 dias pro meu amor chegar.

(desculpe ser monotemática, depois venho aqui chorar por outras coisas)

Something must’ve gone wrong in my heart

Tenho um tumblr fofinho e emocional faz anos. Ele é a única coisa boa que peguei do cara que mais descaralhadamente quebrou meu coração. Eu às vezes lembro dele também quando vejo bicicletas na contramão, e isso me irrita um pouco. Não queria lembrar dele nunca.

O outro que eu mais tenho carinho, aquela suposta melhor pessoa do mundo – hoje já tenho consciência que ele era mais idealização que uma pessoa real – se casou. No bolo dele tinha llamas. Quero um bolo de llamas no meu casamento. Seria muito estranho copiar o bolo do ex?

Ontem meu namorado me ligou num horário que deveria estar trabalhando. Eu perguntei “uai, já acabou o expediente?” e ele respondeu “você quer mesmo que eu vá pro Brasil?”. Eu meio que fiquei sem entender porque aquilo foi muito de supetão. Mas eu disse que sim. Ele desligou sem dizer mais nada.

Meu namorado pediu demissão e vai mudar pra cá em abril, ao que tudo indica.

Esse post era para mostrar esses passarinhos problemáticos que eu achei no tumblr.

Acho que eu sou um passarinho problemático.

Turn it up, it’s your favorite time

Eu estava com muito medo desse aniversário. A perspectiva de estar longe dos meus e de casa em um local onde não me achei tanto me deixava um pouco assustada. Resolvi, preventivamente, ignora-lo eu mesma, e me escondi no dia em uma montanha de trabalho.

Depois, meio tristinha, pensei: os únicos presentes foram os que eu mesma me dei e não soprei uma só velhinha sequer ou me cantaram um parabéns. Mas eis que uma semana depois eu tive a comemoração mais linda, com bolo de glitter comestível antes de um bloco de carnaval e que de brinde tive o prazer de ter junto amigos de BH e do Rio.

Além do mais, hoje, mais de uma semana depois, ganhei bolo de chocolate e presente da minha equipe linda de trabalho.

E eu achava que ia faltar amor, transbordei. O aniversário temido foi comemorado longamente, com visita de amigos amados, sorrisos e muito amor. Eu que tinha tido uma semana pesada com uma sexta-feira frustrante (post anterior), tive dias incríveis.

Tô muito grata, universo! Pode trazer mais felicidade porque eu tô querendo SIM.

 

They love control. They want everything on their own way.

No trabalho anterior um dia chegou uma chefona vinda de grande empresa. Ela tinha sido diretora de multinacional e agora vinha "trabalhar com propósito" no terceiro setor. Essa mulher me deixava maluca.

Ela tinha padrões de exigência enormes, esperava que os outros parassem a vida por conta dela e com frequência nos deixava esperando.

Um dia eu, que era liderança naquele lugar de 200 funcionários, disse pro diretor executivo, que era incluso chefe dela: "o que eu não gosto dessa pessoa é que ela acha o tempo dela mais importante que o meu". Ele respondeu que ela tinha certeza.

Passados 3 anos disso, sou eu quem estou em uma multinacional. Acima de mim tem um monte de cargos executivos, mas me tocou um dia uma agenda com o vice presidente da América do Sul. Em outra cidade.

Passei o fim de semana fazendo a apresentação. Inclusive no meu não comemorado aniversário. Tive reunião com um diretor pro mesmo revisar o material – ele mesmo diversas vezes interrompendo essa agenda para atender ligações.

Trabalhei no hotel até altas horas da noite dois dias fazendo ajustes no arquivo.

Fiquei ansiosa. Me preparam muito. "Olha, não diga nada nesse tom", "cuidado que ele é muito formal"… alertas mil.

No dia da reunião, troquei de roupa. Conferi o cabelo. Cheguei mais cedo pra alinhar com a gerente. A agenda era 10:00.

10:48 ele chegou no escritório. Mandou cancelar as agendas do dia inteiro. Perdi o dia para uma agenda que não aconteceu.

No final das contas, o tempo das pessoas de cargos altos é de fato mais importante que o meu.

We deserve better than us

Se uma pessoa importante da sua vida de te magoou, briga com ela. Grita, berra, exige atenção. Pode incomodar a pessoa sim, não importa se ela acha que não é para tudo isso. Porque tem que ser tudo isso sim. Ou uma hora, acaba.

Quem magoou tem que saber que magoa. Porque só assim corrige, só assim melhora. “Eu não gosto quando você fala assim comigo” pode vir com a resposta de “Me desculpe” e tudo sara, tudo cura, tudo corrige. O que não dá é pra escutar MAIS UMA VEZ a pessoa falar com você DAQUELE JEITO e você aguentar calado, só nutrindo mágoa, ressentimento ou como falam no manual da internet moderna, RANÇO.

Não deixe sua magoa ser unilateral. Pelo menos se odeiem em conjunto.  Porque só FALANDO existe espaço por perdão. Ou pro ódio, vai que vocês são mesmo INCAPAZES de se manterem juntos e só tão se mutuamente fazendo sofrer em vão?

Senão é só um relacionamento fingido, não sincero, um tentando não incomodar o outro mas aguentando mais do que tem obrigação de aguentar.

Ninguém se magoa por querer. Ninguém (quer dizer, fora os psicopatas) é genuinamente mal. Duvido que alguém acorde com o objetivo do dia de te fazer sofrer. É toda essa humanidade, essa nossa vaidade, esse nosso egoísmo que sem querer derrapa a fere os outros (ou se deixa ferir).

Então BORA CONVERSAR. TER DR. ME ESCUTA AQUI, DESGRAÇA, BORA FALAR SOBRE A GENTE!!!

Porque uma hora os sentimentos não falados se tornam insustentáveis e vem o inesperado (porém se você pensar bem, super previsível) momento de rompimento. E o outro (que pode ser você) fica ali com cara de besta sem entender porque fulana saiu do grupo, porque não foi convidado pro casamento, porque de repente o a gente deixou de existir.

BORA QUEBRAR O PAU.